Ricardo Pastore, coordenador do Núcleo de Varejo da ESPM, conta que a disposição dos produtos nas prateleiras não é feita de forma aleatória, nem instintiva.

Esse é um tema que foi desenvolvido cientificamente, dada à importância que ele tem para o ponto de venda. Tanto para as marcas, como para o varejista.

Segundo Pastore, há cerca de 15 anos a solução era meramente estética, mas com o tempo entendeu-se que a exposição era um dos atributos mais importantes para a decisão do consumidor.

A solução encontrada pelas empresas foi desenvolver as “categorias de produtos”.

Um bom exemplo é o consumidor de vinhos que vai buscar uma solução de consumo para essa bebida como: queijos, massas, petiscos, etc.

O professo Ricardo Pastore, coordenador do Núcleo de Varejo da ESPM, foi entrevistado por Milton Parron durante o Ciranda da Cidade, realizado na Apas 2011.

 

Deixe uma resposta